Após o diagnóstico COVID-19, quase 1 em cada 5 são diagnosticados com transtorno mental

Uma nova pesquisa descobriu que quase 1 em cada 5 pessoas com COVID-19 é diagnosticada com transtorno psiquiátrico como ansiedade, depressão ou insônia três meses após o diagnóstico.

A análise foi conduzida por pesquisadores da Universidade de Oxford, na Inglaterra, usando registros eletrônicos de saúde de 69,8 milhões de pacientes nos Estados Unidos – incluindo mais de 62 mil com diagnóstico de COVID-19, reportou a NPR.

Em comparação com os pacientes que tiveram outros problemas de saúde este ano — como gripe, cálculos renais ou uma grande fratura óssea — aqueles com diagnóstico de COVID-19 eram mais propensos a ter um diagnóstico psiquiátrico subsequente entre 14 a 90 dias seguintes.

“A incidência de qualquer diagnóstico psiquiátrico nos 14 a 90 dias após o diagnóstico de COVID-19 foi de 18,1%”. A pesquisa foi publicada segunda-feira na revista ientífica Lancet Psychiatry .

Pessoas que estão se recuperando de COVID-19 tinham cerca de duas vezes mais chances de serem diagnosticadas com um transtorno de saúde mental em comparação com alguém que estava com gripe, diz Paul Harrison , professor de psiquiatria em Oxford e um dos autores do estudo.

“Isso foi nos primeiros três meses”, afirma ele. “É claro que não sabemos, em acompanhamentos de longo prazo, se esses riscos continuarão aumentando – ou se depois de chegar aos três meses, os riscos depois de você ter COVID realmente voltam aos riscos básicos que todos nós experimentamos.”

Transtorno mental aumenta o risco de contrair o coronavírus?

O estudo descobriu que a relação entre doença mental e COVID-19 é na verdade bidirecional: pessoas com diagnóstico psiquiátrico tinham cerca de 65% mais chances de serem diagnosticadas com COVID-19 do que pessoas sem.

Não está claro exatamente por quê. O estudo controlou certos fatores, incluindo fatores de risco físico e aqueles que estavam tendo sérias dificuldades habitacionais e econômicas, mas o risco persistia. Isso é consistente com outro grande estudo recente usando dados de uma rede de saúde eletrônica diferente dos EUA, que encontrou um risco aumentado de infecção e mortalidade por COVID-19 em pessoas com transtornos mentais.

O risco de transtornos de ansiedade aumenta pós-COVID-19

Mas a maioria de nós não está experimentando algum nível de ansiedade agora, devido à pandemia global?

O que o estudo afirma é algo mais severo, diz Harrison. “Para obter um diagnóstico de um transtorno de ansiedade, presumindo que os testes de diagnóstico foram feitos corretamente, isso é mais do que simplesmente a ansiedade que todos estamos sentindo por causa das circunstâncias pelas quais muitas pessoas viveram nos últimos meses.”

Ele também aponta para o desenho do estudo, que comparou os diagnósticos de saúde mental em pessoas em recuperação de COVID-19 com aqueles em pessoas se recuperando de outros eventos médicos durante o mesmo período: “São todas comparações feitas entre janeiro e agosto deste ano quando todos viviam [a pandemia] de COVID, independentemente da doença que os levou a consultar o médico em primeiro lugar.”

Os pesquisadores foram capazes de diferenciar um pouco para a gravidade dos casos de COVID-19, por exemplo, eles descobriram que alguém hospitalizado por COVID-19 tinha um risco maior de obter um diagnóstico psiquiátrico do que alguém que não precisava de hospitalização. Mas os dados não oferecem detalhamento suficiente para dizer se alguém que estava em uma unidade de terapia intensiva para COVID-19 tinha maior probabilidade de obter um diagnóstico psiquiátrico do que alguém que estava na UTI por outro motivo.

Alzheimer e Covid-19

Os pesquisadores também descobriram um risco aumentado de demência em pessoas que estão se recuperando de COVID-19. Harrison diz que ainda não está claro por que isso ocorre, mas pode ser que algumas pessoas já estivessem desenvolvendo demência e ela não foi reconhecida até que os pacientes consultaram um médico por causa dos sintomas de COVID-19.

Lauri Pasch é psicóloga clínica na University of California, San Francisco, onde trabalha com pacientes em uma clínica especial de reabilitação para aqueles que foram hospitalizados por COVID-19.

“Estamos vendo muita ansiedade, muito medo, muita tristeza, muita sensação de isolamento”, diz ela.

Ela diz que alguns pacientes pós-COVID-19 descrevem problemas de sono e sonhos angustiantes: “Como acordar e sentir que está de volta ao hospital. Acordar lembrando-se de aspectos realmente difíceis de ter COVID, quando você sentia que não conseguia respirar…”

Muitos pacientes dizem que, durante a doença e a recuperação, seus pensamentos muitas vezes se voltam para a morte. Eles pensam na perda de membros da família e lutam com coisas que deram errado em suas vidas. Os pacientes de COVID-19 com sintomas persistentes por longa data descrevem mentes nebulosas persistentes e problemas de memória .

‘Estamos vendo muita gratidão’

Mas, embora alguns pacientes sejam diagnosticados com transtornos de ansiedade nos três meses após terem COVID-19, a grande maioria não o é.

E Pasch diz que alguns pacientes descrevem a experiência totalmente oposta.

“Estamos vendo muita gratidão, aquela sensação de que amigos e familiares estavam lá para ajudá-los de uma forma que eles não esperavam, e nos sentimos muito gratos por isso. Sentindo vontade de celebrar a vida.”

Ela diz que alguns pacientes que tiveram internações realmente difíceis dizem coisas como “Sinto que tenho uma segunda chance na vida” e “Vou me tornar uma pessoa melhor”, agora que sobreviveram.

Pasch e seus colegas clínicos chamam isso de “crescimento pós-traumático”, o polo positivo do estresse pós-traumático.

Ela especula, no entanto, que as pessoas hospitalizadas por causa da doença em sistemas hospitalares mais sobrecarregados podem ter maior probabilidade de sofrer estresse pós-traumático.

Pesquisadores em Oxford, UCSF e em outros lugares ainda estão coletando dados sobre saúde mental pós-COVID-19 a longo prazo. Mas Pasch diz que espera que, na maioria dos casos, os sintomas de estresse pós-traumático de COVID-19 diminuam.

“O que venho dizendo aos pacientes [é] que será uma melhora lenta e gradual”, diz ela, observando que os pacientes mais jovens geralmente sentem a frustração de uma longa recuperação de forma mais aguda. “É extremamente frustrante ter uma condição que é tão assustadora, tão desconhecida, e sinto que não estou voltando ao meu normal e me perguntando, esse é o novo eu?”

Ao que Pasch e seus colegas podem apenas dizer: Temos que esperar para ver. “Não esperamos que seja. Mas é uma experiência muito assustadora.”

Último vídeo do nosso canal: O pássaro mais barulhento do mundo é tão alto quanto um trovão

[ad_2]

Source link

Add Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Send message via your Messenger App