Estado dos EUA votou para descriminalizar todas as drogas

Os eleitores do estado do Oregon, nos EUA, se tornaram o primeiro do país a descriminalizar o uso de todas as drogas, incluindo cocaína e heroína, após a votação da Medida 110 , de acordo com o New York Times e a Associated Press.

Mas não significa que o estado tenha legalizado as drogas.

Em vez disso, o Oregon removerá as penalidades criminais — incluindo prisão — por posse de pequenas quantidades de drogas atualmente ilegais. As pessoas flagradas com drogas terão a opção de pagar uma multa de US $ 100 ou ter fazer “avaliação completa de saúde” em um centro de recuperação de dependentes químicos. A venda de drogas continua sendo proibida.

O estado agora também redirecionará toda a arrecadação de impostos sobre vendas de maconha legalizada e o que for economizado com a nova medida — por exemplo, economias com a redução de gastos em prisões — para a criação de um amplo programa de tratamento e recuperação de dependência de drogas.

Os defensores dizem que a Medida 110 substitui uma abordagem centrada na justiça criminal para as drogas por uma abordagem de saúde pública

Os defensores da descriminalização argumentam que o uso indevido e o vício de drogas são problemas de saúde pública, não problemas para o sistema de justiça criminal. Eles afirmam que a proibição criminal leva a centenas de milhares de prisões desnecessárias e racialmente díspares a todo ano nos Estados Unidos. Isso é muito caro, sobrecarrega a polícia e contribui para o encarceramento em massa, que faz muito pouco para ajudar as pessoas que realmente lutam contra o uso de drogas.

Seria melhor, dizem esses defensores, investir todo esse dinheiro em serviços de educação, tratamento, etc. E na medida em que o uso de drogas contribui para o crime e a violência, existem outras leis em vigor, inclusive para o tráfico de drogas, que podem abarcar essas questões sem tornar a posse em si um crime.

Os oponentes argumentam que a descriminalização remove um poderoso instrumento para dissuadir o uso de drogas, potencialmente aumentando o uso e dependência de drogas. Eles alegam que as penalidades criminais ligadas ao porte de drogas também podem ser utilizadas — por exemplo, por meio de tribunais de drogas — para levar as pessoas a um tratamento que, de outra forma, não aceitariam. E eles argumentam que, na medida em que há disparidades raciais reais nas condenações, isso é um problema com o preconceito na aplicação da lei e racismo sistêmico na sociedade estadunidense em geral, não necessariamente um resultado da proibição das drogas em si.

Os eleitores do Oregon legalizaram a maconha. Embora alguns estados tenham encerrado as acusações criminais pelo uso de todas as drogas ilegais, o Oregon é o primeiro nos EUA a tomar a medida mais agressiva para descriminalizá-las.

Mas Oregon não é o primeiro lugar no mundo a descriminalizar as drogas. Portugal fez isso em 2001, ganhando uma grande e contínua cobertura da mídia. Os efeitos pareciam positivos: junto com o aumento do tratamento da dependência de drogas a descriminalização das drogas pareceu levar a um maior uso geral de drogas, mas a um uso menos problemático.

Citando o modelo de Portugal, os críticos da guerra contra as drogas há muito clamam para levar o modelo para os Estados Unidos. Com o voto do Oregon, eles agora têm uma plataforma, não apenas para provar que a ideia pode funcionar nos Estados Unidos, mas também para inspirar outros estados a tomar medidas mais agressivas para encerrar sua guerra às drogas. [Vox]

Último vídeo do nosso canal: O pássaro mais barulhento do mundo é tão alto quanto um trovão

[ad_2]

Source link

Add Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Send message via your Messenger App