Este geneticista de Harvard quer “melhorar” humanos através da genética

O professor da Universidade de Harvard George Church é bem
conhecido por suas ideias malucas, desde querer ressuscitar os mamutes até defender
a manipulação genética para criar uma nova versão “melhorada” de seres humanos.

Será que projetar e implementar características físicas e
intelectuais mais avançadas através de edição genética levaria a uma “humanidade
melhor”?

Church está aberto à discussão. Ele acha que nós precisamos
de informações para tomar as melhores decisões possíveis – incluindo potenciais
benefícios e perigos dos genes que podemos editar.

É por isso que ele apoia uma lista de possibilidades a serem
exploradas que deixe claro os lados positivos e negativos de manipular cada
gene. “Senti que ambas as extremidades do espectro fenotípico deveriam ser
úteis. E o efeito protetor pode produzir medicamentos mais poderosos, úteis
para mais pessoas e, portanto, menos caros”, explicou Church.

Lista de Desejos Trans-humanista

Abaixo, você pode conferir alguns os genes na chamada “Lista
de Desejos Trans-humanista” (em inglês, “Transhumanist Wishlist”) que apoia a utilização
de edição genética para “melhorar” a fisiologia e o intelecto humano.

LRP5

O lado bom: este gene poderia nos dar ossos muito fortes,
uma vez que foi observado que uma mutação no LRP5 levou a ossos que não se
quebravam.

O lado ruim: essa modificação pode tornar mais difícil para
os seres humanos nadarem, uma vez que ossos mais densos afundam mais.

MSTN

O lado bom: mexer com esse gene afeta a proteína miostatina e
pode resultar em músculos maiores e mais finos, potencialmente curando doenças
como a distrofia muscular.

FAAH-OUT

O lado bom: uma mutação nesse gene já foi ligada à insensibilidade
à dor.

O lado ruim: a mesma mutação pode tornar a pessoa “meio esquecida”, propensa a perder as chaves e a linha de pensamento no meio da frase, por exemplo. Além disso, ela pode nunca sentir o oposto de dor – aquela sensação gostosa de “adrenalina”.

ABCC11

O lado bom: este gene foi ligado à baixa produção de odor. Atualmente,
apenas 2% da população possui essa gloriosa versão livre de sovaco fedido.

PCSK9

O lado bom: pessoas com este gene tem níveis baixos de
colesterol e poderia levar à um menor risco de doença coronária.

O lado ruim: a mutação também poderia levar à um maior risco
de diabetes e cognição reduzida.

GRIN2B

O lado bom: mutações neste gene poderiam levar a habilidades
melhores de memória e aprendizado.

BDKRB2

Recursos genéticos são o futuro?

O objetivo final do trans-humanismo é redefinir o conceito
do que é ser humano.

Além disso, através do amplo estudo, Church espera diminuir
o custo de recursos genéticos, como a manipulação genética.

“Eu acho que já somos trans-humanistas, isto é, se o trans-humanismo for definido como sermos quase irreconhecíveis para nossos ancestrais”, disse o professor em uma entrevista de rádio. “Eu acho que se você trouxesse alguns de nossos ancestrais ou mesmo pessoas de tribos não industrializadas, eles não entenderiam o que estamos fazendo”. [BigThink]



[ad_2]

Source link

Add Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Send message via your Messenger App