Estudo sugere que a “idade biológica” do corpo pode ser revertida

Já pensou se fosse possível voltar para sua idade de alguns anos atrás?

Um pequeno estudo americano sugeriu que o relógio biológico do
corpo pode ser revertido. No experimento, os participantes receberam um “coquetel
rejuvenescente” e “voltaram” cerca de 2,5 anos na sua idade biológica.

No entanto, como a pesquisa foi pequena e não houve grupo de
controle, os resultados são considerados preliminares e ainda precisam ser melhor
estudados.

“Eu esperava ver a desaceleração do relógio, mas não uma reversão. Foi meio futurista”, disse o geneticista Steve Horvath, da Universidade da Califórnia em Los Angeles (EUA), um dos autores do estudo.

Em resumo

Os pesquisadores deram um coquetel de três medicamentos
comuns – um hormônio do crescimento e dois remédios para diabetes – para nove
voluntários saudáveis por um ano.

Em média, eles “perderam” 2,5 anos de suas idades
biológicas, medidos pela análise epigenética de marcadores nos genomas dos
participantes.

Seus sistemas imunológicos também mostraram sinais de
rejuvenescimento.

Timo

O estudo incluiu apenas nove homens brancos com idades entre
51 e 65 anos. O objetivo principal era testar se o hormônio do crescimento poderia
ser usado de forma segura em seres humanos para restaurar tecido no timo, uma glândula
endócrina linfática que faz parte do sistema imunológico.

Células brancas, produzidas na medula óssea, amadurecem
dentro do timo e se tornam células T especializadas em combater infecções e
cânceres no corpo humano. O problema é que a glândula começa a encolher depois
da puberdade, e pode ficar entupida de gordura.

Como o hormônio do crescimento também pode causar diabetes,
os pesquisadores incluíram dois remédios comuns contra a doença no coquetel
utilizado no estudo: desidroepiandrosterona e metformina.

Por fim, durante e no fim do tratamento, os pesquisadores
coletaram amostras de sangue de todos os participantes, descobrindo que a
contagem de células sanguíneas havia sido rejuvenescida.

Também realizaram ressonância magnética para determinar a
composição do timo dos participantes antes e depois do tratamento, concluindo que
em sete deles a gordura acumulada havia sido substituída por tecido regenerado.

Relógio epigenético

A parte de Horvath veio depois. Ele é um “especialista” em relógio epigenético, uma “marcação” genética que depende do epigenoma do corpo e compreende modificações químicas no DNA. O padrão epigenético de uma pessoa muda durante a vida e acompanha sua idade biológica, que pode ficar à frente ou atrás de sua idade cronológica.

Horvath usou quatro métodos diferentes para avaliar a idade
biológica e o relógio epigenético de cada participante, concluindo que houve reversão
em todos. “Isso me disse que o efeito biológico do tratamento era
robusto”, afirmou ao portal Nature.

O efeito seguiu nos seis participantes que forneceram uma
amostra de sangue seis meses após o tratamento. “Como pudemos acompanhar
as mudanças dentro de cada indivíduo, e porque o efeito foi muito forte em cada
um deles, estou otimista”, diz Horvath.

O próximo passo será testar essa intervenção medicamentosa
em um grupo maior de pessoas, incluindo mulheres e diferentes etnias e grupos etários.

Um artigo sobre as descobertas foi publicado na revista científica Aging Cell. [Nature]



[ad_2]

Source link

Add Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Send message via your Messenger App